Perguntas Frequentes

Caso as perguntas e respostas abaixo não esclareçam suas dúvidas, mande e-mail para smtmobilab@prefeitura.sp.gov.br. Nós compartilharemos aqui.


  • Qual a finalidade do Edital de Projetos?

O Edital proposto terá por finalidade selecionar até 14 projetos de tecnologia da informação e comunicação, de caráter inovador, a serem executados por meio da estrutura do MobiLabOs projetos apoiarão ações novas ou já existentes, contribuindo para o aprimoramento de processos criativos, inovadores e colaborativos presencialmente ou não, em comunidades de desenvolvimento de software livre, grupos hacker, desenvolvimento independente e demais formas de organização autônoma dos interessados.


  • O que é o MobiLab?

O MobiLab (Laboratório de Mobilidade Urbana e Protocolos Abertos da Cidade de São Paulo) é uma iniciativa da Secretaria Municipal de Transportes (SMT), da Prefeitura Municipal de São Paulo, que busca o desenvolvimento de soluções para a melhoria da gestão do transporte, do trânsito e da mobilidade urbana na cidade, orientado pelas premissas que caracterizam uma experiência concreta de governo aberto: inovação, transparência e participação da sociedade civil.

Conheça mais clicando aqui.


  • Por que fazer um Edital de Projetos?

A SMT, a SPTrans e a CET têm a tarefa de gerir a mobilidade urbana em uma cidade com mais de 30 milhões de viagens realizadas por dia, 4 milhões de veículos particulares, 1,5 milhão de vans e motocicletas e uma frota de 15 mil ônibus, que transporta cerca de 9,7 milhões de passageiros por dia. Esta dimensão da mobilidade urbana da cidade gera um imenso volume de dados brutos que precisam ser trabalhados para produzir soluções.

Portanto, os projetos buscam aprimorar a eficiência da gestão do sistema de mobilidade da cidade, por meio da promoção da melhor utilização dos recursos existentes. Também buscam fornecer mais informação à população e à administração sobre os elementos desse sistema, de forma a potencializar a escolha do munícipe e sua atuação na gestão democrática dos serviços públicos, bem como viabilizar que a escolha de política pública esteja cada vez mais calcada em descrições precisas da realidade a ser impactada. De igual modo, os projetos têm por finalidade a automação de processos e a viabilização de gerenciamento em tempo real de setores do sistema de mobilidade, promovendo maior eficiência da administração pública e adequação das políticas de mobilidade aos interesses públicos envolvidos.


  • Para quem e como os projetos foram criados?

As soluções a serem desenvolvidas pelos vencedores deste concurso buscarão atender à demandas da SMT, CET e SPTrans. As especificações dos projetos propostos foram elaboradoras com a participação de dezenas de analistas da SMT e das duas empresas, das respectivas áreas de tecnologia da informação, em conjunto com as áreas detentoras das demandas, e estão devidamente documentadas nos termos de referência que compõem o edital.


  • Posso concorrer em mais de um projeto?

Cada proponente poderá, no ato da inscrição, optar por um ou mais projetos, mas só poderá ser contratado para executar projetos cujo valor agregado não ultrapasse R$1.000.000,00 (um milhão de reais).


  • Quais são os prazos para inscrição e divulgação dos resultados?

As inscrições de propostas ocorrerão entre 24/nov/15 e 08/jan/2016.


  • Quais são os valores por projeto?

Os projetos têm valores entre R$115 mil e R$835mil reais. Clique aqui e confira.


  • Não tenho empresa, como posso participar?

Não é obrigatório ter empresa para participar deste concurso público. É necessário apenas a associação com mais uma pessoa física. Veja mais no item 3.1.1 do Edital clicando aqui.


  • Por que um concurso público?

A seleção dos projetos será realizada pela modalidade concurso pela necessidade de se estimular e viabilizar a exigência de padrões mínimos mas, ao mesmo tempo, permitir o recebimento de soluções inovadoras e ainda não conhecidas para os desafios expostos.

Desse modo, acredita-se que a modalidade eleita tem o potencial de permitir que projetos que atendam às necessidades descritas pela administração e que contemplem mecanismos ainda não constantes do “estado da arte” possam ser apresentados e, com isso, aprimorar a qualidade tecnológica da gestão do sistema de mobilidade urbana em São Paulo.

Não por outra razão, os critérios de análise e pontuação dos projetos apresentados estão voltados para a valorização de: criatividade, viabilidade, adequação às necessidades da proposta, entre outros, conforme se vê no respectivo item do edital.

Parte dos critérios técnicos está relacionada, portanto, à compatibilidade do produto com a proposta constante do descritivo do projeto. Outra parte consiste na valorização de soluções inovadoras e potencial de desenvolvimento ulterior das alternativas apresentadas, como forma de promoção de capacidade institucional interna à administração pública a partir do projeto selecionado. Por fim, há critérios atinentes à capacidade e à experiência do proponente na elaboração de soluções semelhantes às pretendidas pela Administração.

Com esse desenho de seleção acredita-se que se viabilizará a solução das necessidades da Administração municipal, por meio da promoção de projetos inovadores a serem objetivamente selecionados.


  • Alguns projetos mencionam apenas a homologação, outros o aceite no laboratórios da MobiLab. Os dois primeiros falam de desenvolvimento nos laboratórios da MobiLab. Sendo eu de Vitória/ES, posso concorrer no concurso?

• Lembre-se da data limite: tem que estar tudo pronto e entregue no máximo dia 08 de janeiro, sexta-feira, às 18h. Sua inscrição não poderá ser aceita depois disso.

• Após preparar e lacrar os dois envelopes, você pode optar por entregar pessoalmente ou enviar pelo correio.

• Se optar entregar pessoalmente, leve os envelopes até a SPTrans, na Chefia de Gabinete, na Rua Boa Vista, 236, 7o andar, Centro, São Paulo, SP, CEP 01014-000. Um portador pode entregar por você. Os envelopes serão numerados na sua frente e quem entregar receberá um comprovante de entrega.

• Estando ou não em São Paulo, você pode submeter sua candidatura por correspondência, mediante aviso de recebimento, para o mesmo endereço acima e aos cuidados de “Comissão de Concurso de Projetos - SMT”.

• Se optar por correspondência, envie com antecedência suficiente para chegar em 8 de janeiro. Lembre-se que haverá uma sessão pública de abertura dos envelopes no dia 11 de janeiro de 2016, às 10h no MobiLab. Qualquer pessoa pode participar. Essa sessão é somente para mostrar que os envelopes estavam lacrados e numerados. Quem estiver lá não poderá ler as propostas submetidas.

Sim, é possível concorrer sendo de outro estado, como você leu na resposta.


Com relação ao desenvolvimento do projeto em São Paulo ou remotamente, o Edital prevê algumas condições, dado que os produtos dos projetos são para serem usados pela Prefeitura de São Paulo.

Veja os Itens 9.9. e 9.10. do edital. Lá estão estabelecidas as condições de desenvolvimento remoto. Primeiramente cabe observar que se você submeter a candidatura como pessoa física, não é possível fazer nada remotamente (item 9.9.2.), mas neste caso a SMT lhe dá todas as condições, sem custo para você, para desenvolver tudo no mobilab. Caso seja pessoa jurídica, sim precisa estar presente totalmente nas fases de homologação, implantação e operação assistida.

Além disso, o item 9.10 estabelece um calendário de reuniões obrigatórias e presenciais.

Assim, concorra estando no ES, e se sair ganhador, você deverá programar sua estadia aqui para desenvolvimento, (integral se pessoa física ou parcial se jurídica) dado que o prêmio é pago pela Prefeitura de São Paulo para melhoria da mobilidade por aqui.


  • O termo de referência P01 diz o seguinte:

2.4. Premissas

- Sessões para esclarecimento e detalhamento da solução acontecerão em tempo de projeto.

- O projeto deverá ser desenvolvido no laboratório disponibilizado pela SMT (MobiLab).

Então não podemos desenvolver o projeto à distância? Isso seria pra todos ou só pra esses?


Dois dos quatorze projetos devem ser obrigatoriamente desenvolvidos no MobiLab: o projeto P01- Automação back office - infrações e multas, e o projeto P02 - Automação do processo de vistoria e inspeção.

Para os demais projetos:

Vale o disposto nos itens 9.9. e 9.10. do edital; lá estão estabelecidas as condições de desenvolvimento remoto. Primeiramente cabe observar que se você submeter a candidatura como pessoa física, não é possível fazer nada remotamente (item 9.9.2.), mas neste caso a SMT lhe dá todas as condições, sem custo para você, para desenvolver tudo no Mobilab. Caso seja pessoa jurídica, sim precisa estar presente totalmente nas fases de homologação, implantação e operação assistida.

Além disso, o item 9.10 estabelece um calendário de reuniões obrigatórias e presenciais.


  • Estou com dúvidas sobre a POC do termo P03. Ele fala: "O sistema deverá apresentar a opção de habilitar ou desabilitar a visualização de camadas de informações no mapa, como rotas de carregamento, trecho com maior lentidão, linhas e pontos de ônibus." Essas camadas de informações citadas são apenas exemplos ou de fato devem ser essses dados os mostrados na POC? Os dados disponibilizados por vocês contêm essa informação?

Para esse caso, as apresentações serão somente para exemplificar a função de habilitar e desabilitar camadas no mapa (dados fictícios), prevendo o comportamento da aplicação com as informações selecionadas (rotas de carregamento, trecho com maior lentidão, linhas e pontos de ônibus).


  • Nossa dúvida maior é primeiramente o enquadramento jurídico para participar do concurso. Segundo a cláusula 3.3 estão habilitadas PJs enquadradas como microindividuiais, microempresas e EPP. Somos uma empresa SA de médio porte, poderemos participar, estamos enquadrados ou não? Seria necessário uma visita?

Se sua empresa se enquadra como EPP nos termos da lei complementar 123, para fins de tributação, é possível a participação.

Se, ao contrário, sua empresa for de maior porte (isto é, tem faturamento bruto superior aos limites da mencionada lei), não há possibilidade de participação como pessoa jurídica, dado que o edital é destinado a essas empresas.


  • É possível concorrer em mais de um projeto? É possível ganhar para atuar em mais de um projeto?

Sim é possível, as regras sobre isso estão descritas nos itens 3.3 e 3.4 do edital, e também no passo a passo ( https://drive.google.com/file/d/0BwSRUnDYjk8QTDBueDBBTWI5djg/view?), disponível nas informações complementares da página do edital, no site do mobilab http://mobilab.prefeitura.sp.gov.br/projetos/

  • Qual o prazo de desenvolvimento mínimo e máximo?

Cada projeto tem seu prazo máximo de desenvolvimento indicado no respectivo termo de referência. Os prazos máximos variam de 120 à 246 dias úteis.


  • Na página 18, há o texto: "A Linguagem de desenvolvimento utilizada para o sistema será o Java J2EE 7 ou superior". Dado que, para ter funcionalidades mobile, é necessário Javascript (para a versão web) e Swift ou Objective-C para a versão iOS, isso implica que não se pode fazer esse projeto em J2EE 7.

A linguagem de desenvolvimento foi especificada para o backend da aplicação Web, tal que será utilizada para realizar a configuração das pesquisas/votações.


  • Na página 18, há o texto: "O Servidor de Aplicação a ser definido deverá ser open source, como por exemplo: JBOSS, Glassfish, Geronimo". Então isso quer dizer que também pode ser utilizado o Nginx ou o Gunicorn, que são Opensource?

Sim, podem ser utilizados outros servidores Opensource, as opções descritas foram apenas exemplos.


  • Na página 19, há três cláusulas que são incompatíveis: - As funcionalidades desenvolvidas para ambiente web acessadas deverão ser compatíveis com os navegadores que tenham suporte a HTML5 incluindo navegadores de dispositivos móveis. - Descartar linguagens interpretadas como ASP, PHP, Ruby. - Está descartada a utilização de ferramentas de geração de código. Para se ter funcionalidades em HTML5, incluindo navegadores de dispositivos móveis, tem que se usar Javascript, que é a linguagem padrão do HTML5. Javascript é uma linguagem interpretada. Mas essas são proibidas pelo edital, portanto criando um paradoxo: ou linguagens interpretadas são permitidas ou o sistema não pode funcionar em HTML.

Descartamos apenas a utilização de linguagens interpretadas atuantes no lado servidor, como os exemplos ASP, PHP , Ruby e CodeFusion.


  • Não há, em lugar algum do edital, requisitos de acessibilidade para cegos e/ou portadores de deficiência visual, incluindo daltonismo.

Esse requisito não está no escopo, porem pode ser sugerido e contará pontos no critério de criatividade e inovação.


  • Na página 21, há a seguinte cláusula: • A aplicação deverá possuir servidores de redundância para aplicação e banco de dados. Entretanto, como posso garantir o uso de servidores de redundância se a aplicação será gestionada pela SMT?

Nesse caso a aplicação deverá prover arquitetura que permita a utilização do sistema de forma distribuída.

  • Na página 21, há a seguinte cláusula: "Todos os Serviços devem ser naturalmente processados sob demanda e em paralelo (multithread em ambiente multiusuário em servidores preemptivos configurados em cluster horizontalmente escalável)"; Entretanto, na arquitetura proposta, envolvendo um servidor SQL, tal como o SQL Server ou o Postgres, como backend, isso não é possível fazer sem uma integração muito grande dos administradores de servidores, que será a SMT, dado que a paralelização principal se dá no nível do cluster de banco de dados.

Nesse caso a aplicação deverá prover arquitetura que permita a utilização de processamento multithread.


  • Na página 21, não há nenhuma menção a armazenamento de senhas de usuários. Isso significa que elas podem ser armazenadas em texto simples?

Para aplicação mobile como descrito no item 8.8- Segurança, na página 21, a aplicação deverá prover a autenticação via OAuth, utilizando credencias de redes sócias como Facebook, Google e Twitter. Já a aplicação web deverá conter os requisitos mínimos de segurança, e deve ser levado em consideração que será um do critérios de avaliação.


  • Para realizar a inscrição eu já terei que estar com a POC pronta e todos os documentos iniciais entregues?

Sim, você deve entregar o plano de projeto (que contém a POC) e os documentos solicitados.

Publicamos na página do MobiLab/Projetos (nas informações complementares) um passo a passo que pode auxiliá-lo na preparação deste material.

Você pode consultá-lo neste link https://drive.google.com/file/d/0BwSRUnDYjk8QTDBueDBBTWI5djg/view?



  • Devo seguir ao pé da letra o dicionário de dados, ou posso fazer um modelo físico deferente, incluindo nomenclaturas de nomes de campos diferentes? Pois alguns pontos eu discordo com certos registros, buscando assim uma implementação mais adequada.

Não podem haver alterações por se tratar de integração com o sistema legado.


  • Tenho interesse de participar do Edital, porém gostaria de algum esclarecimento quanto ao entendimento exato da Prova de Conceito. Temos que fazer uma demonstração antes de desenvolver? Um vídeo, protótipo real, slides? O que é realmente esta prova de conceito apresentada no 6.4.1 do Edital: "Os planos de projeto deverão, necessariamente, ser divididos em: (i) POC (Prova de Conceito); (...)"?

Como não teremos ambiente para validação das provas de conceito (POC), solicitamos aos proponentes que gravem um vídeo, de no máximo 7 minutos, para que possamos avaliar a solução proposta.

Esse vídeo deve conter informações que demonstrem como a solução que você propõe será aplicada (podendo ser inclusive um vídeo do protótipo da apresentação ).

Veja abaixo o item do edital que informa como deve ser apresentada a prova de conceito:

6.4.1.2. A Prova de Conceito (POC) deverá ter seu funcionamento demonstrado por meio de vídeo de no máximo 7 (sete) minutos, em formato *.mp4 , *.avi , *.mpeg, *.flv , *.ogv , *.mov e *.wmv, em mídia física, isto é, CD e/ou DVD não regraváveis.

Lembrando que a POC é apenas parte do plano de projeto que você deve apresentar. Publicamos na página do MobiLab/Projetos (nas informações complementares) um passo a passo que pode auxiliá-lo na preparação de todo o material necessário para a inscrição no concurso.

Você pode consultar o passo a passo também neste link https://drive.google.com/file/d/0BwSRUnDYjk8QTDBueDBBTWI5djg/view?


  • Qual é a justificativa para o descarte de linguagens interpretadas?

Os projetos serão desenvolvidos para atenderem as necessidades de diversas áreas da SMT, teve-se a preocupação das áreas envolvidas de como seriam as manutenções/evoluções futuras desses sistemas. Para garantir a evolução dos sistemas, optamos por adotar as linguagens que são utilizadas atualmente. Além do fato de ambas as tecnologias serem robustas, amplamente difundidas e com uma grande quantidade de desenvolvedores e suporte no mercado. Essa regra se aplica ao backend dos sistemas, mas é possível por exemplo criar uma aplicação com um framework MVC em Javascript como Angularjs usando uma WebApi Java ou .Net.


  • Node.js e Python se enquadram nesta categoria?

Sim, descartamos a utilização de linguagens interpretadas atuantes no lado servidor.


  • As soluções obrigatoriamente tem que ser desenvolvidas em Java ou .NET? Se sim, porque?

Sim, os projetos serão desenvolvidos para atenderem as necessidades de diversas áreas da SMT, teve-se a preocupação das áreas envolvidas de como seriam as manutenções/evoluções futuras desses sistemas. Para garantir a evolução dos sistemas, optamos por adotar as linguagens que são utilizadas atualmente. Além do fato de ambas as tecnologias serem robustas, amplamente difundidas e com uma grande quantidade de desenvolvedores e suporte no mercado.


  • A hospedagem ficará por conta do contratante? Se não, onde é possível encontrar mais detalhes sobre o tipo de hospedagem que a SMT usa?

A hospedagem será por conta da SMT e será dimensionada a partir da proposta de projeto do proponente vencedor.


  • O copyright do código-fonte será da prefeitura ou do contratado?

Conforme o item 1.3 do Edital de Projetos, concurso nº 01/15 . "Os projetos deverão ser devidamente documentados, ter código hospedado no Github e/ou em repositório disponível pública e gratuitamente, serem preferencialmente baseados em software livre e licenciados – quando aplicável e não conflitantes com as especificações do termo de referência do projeto - nos termos da licença livre GNU GPL v3.0 (http://www.gnu.org/licenses/gpl-3.0.html), que compreende, entre outras, a exigência de disponibilização de códigos-fonte abertos, a liberdade de uso, a possibilidade de distribuição e de modificação do software, conforme as exigências do artigo 111 da lei 8.666 de 1993."


  • Serão aceitas soluções sob licença proprietária?

Não serão aceitas soluções sobre licença proprietária, com exceção no caso de um framework especifico utilizado pela solução, porem deve ser realizado um estudo comprovando a necessidade e justificativa do custo, para ser avaliado pela SMT.


  • Os sistemas só podem ser desenvolvidos na linguagem determinada no "DAQ - Documento de Arquitetura"?

Sim, são diretrizes passadas pelas áreas envolvidas.


  • Para o Termo de Referência 06 - "Atendimento à pessoa com deficiência" deverá ser desenvolvido um sistema web e um sistema mobile ou os dois?

Existem funcionalidades que devem ser desenvolvidas somente para mobile (por exemplo: notificar alteração da corrida / aceitar corrida / classificar atendimento), assim como funcionalidade que devem atender pelo sistema WEB (por exemplo: cadastro usuário / cadastro perfil / solicitar pedido viagem) e também funcionalidades que tanto podem ser mobile quanto WEB (por exemplo: login / cancelar viagem).


  • Sendo a proposta vencedora, é obrigatório montar uma equipe ou o "Gerente de Projetos" e o "Líder Técnico" podem desenvolver os projetos sem uma equipe?

Se o proponente for pessoa física, devem haver no mínimo duas pessoas (veja os itens 3.1. e 3.1.1. do edital) apresentando o plano de projeto. Havendo só duas pessoas, um Gerente de Projeto e um Líder Técnico, nada impede que eles sejam também os desenvolvedores.


  • A prefeitura detém algum mapa em formato digital (Shapefile, KML, WKT, etc) com alto grau de detalhe (estradas, pontos de ônibus, pontos de referência, etc) das regiões cobertas pela SPTrans? Se sim, ele poderá ser integrado ao futuro sistema de visualização? Caso negativo, a provisão de tal mapa será uma das obrigações do contratado?

A Prefeitura possui sim um mapa em formato digital, chamado MDC (Mapa Digital da Cidade) que é disponibilizado pelo projeto GeoSampa ; é possível acessar os mapas no endereço http://geosampa.prefeitura.sp.gov.br/ e esse material poderá integrar o futuro sistema.


  • Acerca da chamada pública atualmente exposta no site do Mobilab. Duas Questões: 1. Qual seria a data limite para eventual submissão de propostas? 2. Qual seria a data limite para entrega da Prova de Conceito? Desculpe-me pelo incômodo, do momento, certo de vossa colaboração antecipadamente agradeço. Examino a possibilidade e viabilidade de aplicar para um projeto.

A Prova de Conceito é uma das partes do plano de projeto que compõe a proposta a ser submetida; a data limite é 08/01/2016.

Publicamos nas informações complementares da página do edital ( http://mobilab.prefeitura.sp.gov.br/projetos/ ) um passo a passo para ajudar a entender o concurso e providenciar o material necessário para a inscrição.

Você também pode consultar o passo a passo neste link https://drive.google.com/file/d/0BwSRUnDYjk8QTDBueDBBTWI5djg/view?


  • Li as especificações técnicas dos projetos e reparei que recomenda-se utilizar o JavaEE e servidor de aplicação como JBoss caso a implementação seja em Java. Essa é uma restrição estrita ? ou pode-se optar por desenvolver em Spring e Tomcat? A mesma pergunta para o caso de preferência ao Openlayers em relação ao leafletjs.

Poderá sim ser utilizado Spring + Tomcat, e o OpenLayers, para o desenvolvimento do projeto.


  • Em momento algum vocês irão manipular o sistema nesse primeiro momento, tanto que pedem que seja enviado um vídeo do POC. Posso mandar um vídeo de um protótipo não funcional, ou seja, que não esteja trabalhando com dados gravados em banco de dados?

Sim, pode ser enviado um protótipo não funcional para a avaliação.


  • No plano de projeto, vocês pedem informação sobre "funcionalidades contempladas". Imagino que basta repetir TODAS as explicitadas por vocês, correto?

Correto, porém pode ser complementada com novas funcionalidades pois o termo de referência especifica apenas o escopo mínimo do projeto.





  • Dos artefatos listados no TR (Modelo de caso de uso, Documento de arquitetura detalhado, Plano de testes Protótipo funcional, Modelo de dados, Especificação de interfaces, Especificação de componentes (especificação técnica), Manual do usuário e Plano de implantação), quais deveremos gerar para o plano de projeto inicial?

O plano de projeto deverá mencionar como e quando será realizado o desenvolvimento dos artefatos listados.



  • Quanto ao critério de avaliação: "Adequação do cronograma detalhado conforme os resultados parciais e entregáveis", não entendi como seremos avaliados. Vocês podem explicar melhor

No cronograma etalhado a ser apresentado (um dos itens do plano de projeto), será valiada a consistência das atividades programadas e o tempo alocado para sua execução, averiguando se todas as atividades estão incluídas em um tempo factível.


  • Para análise da competência da equipe, podemos anexar os currículos e links para o Linkedin?

Podem anexar essas informações e outras que julgarem pertinentes para que a comissão ulgadora conheça a equipe e trabalhos já realizados.


  • Se eu submeter (proponente) como pessoa física, obrigatoriamente tenho que utilizar o espaço do Mobilab? E o meu desenvolvedor também? Somos de outro estado e pergunto, pois isso teria um custo considerável para nos manter em São Paulo.

Sim, pessoas físicas (no mínimo 2) tem de usar o espaço do MobiLab.


  • Qual o percentual total estimado do desconto de todos os impostos no caso de pessoa física e também jurídica

Não há uma sposta única, pois depende de cada situação: há empresas que são isentas alguns tributos, outras não; há tributos que são progressivos, dependendo dos valores que estão sendo tributados. Consulte na legislação, descrita nos itens 9.6.1. e 9.6.2. do Edital, o que se aplica ao seu caso.


  • Esta restrição se aplica apenas ao lado Servidor da aplicação, correto? Para os aplicativos Clientes, não se aplica?

Sim, pode ser utilizado frameworks multiplataforma.


  • Sobre o item 5.2.3: Qualificações do proponente, é a qualificação da equipe que participará do projeto. Ex. Analista, Gestores ou dá empresa? Experiência: é a experiência dos profissionais ou dá empresa?

As qualificações e experiência podem ser de ambos: dos profissionais da equipe e da empresa.

Todo material que possa apresentar a qualificação e/ou experiência dos profissionais e da empresa será considerado pela comissão julgadora, no momento da avaliação desse critério.


  • Estamos com dúvidas em relação a alteração do item 6.4.1 do edital e à inscrição. Na retificação do item 6.4.1, no tópico iv solicita uma versão preliminar dos artefatos. O que a SMT esta esperando desta versão? Alguma funcionalidade documentada? O modelo que será utilizado? Sobre a inscrição, quando enviada através de Correios, deverá ser postada até o dia 08/01/16 ou deverá ter sido entregue até esta data?

Espera-se uma programação dos artefatos, que contenha quando cada artefato será entregue e uma programação do conteúdo que estará contemplado no respectivo artefato.

No caso de inscrição enviada pelos Correios, estas deverão ter sido entregues pelo correio, no endereço de entrega das inscrições, até às 18horas do dia 8 de janeiro de 2016.


  • Na ultima quarta-feira (16/12) estive na visita técnica, onde nos informaram que seria disponibilizada uma ficha, semelhante a que os fiscais utilizam nos dias de hoje, para vistorias os veículos. Gostaria de saber se essa ficha já esta disponível, e aonde posso encontra-la. Ademais, gostaria de saber se ha algum exemplo do video, o qual precisamos gravar com o sistema rodando, apenas para saber mais ou menos como o video deve ficar.


Subimos as fichas nas informações complementares do Projeto P02 , na página do MobiLab :

https://drive.google.com/file/d/0BwSRUnDYjk8QQ0VGU2diRmtlbFE/view?&

Não temos nenhum exemplo de vídeo de Prova de Conceito.


  • Uma das perguntas que feitas é a necessidade de elaboração de casos de uso para o plano de projeto a ser entregue. A resposta foi que deveríamos elaborar uma descrição simples da funcionalidade. Há a necessidade de desenvolvimento de diagramas?

Não é necessário o desenvolvimento de diagramas.


  • Gostaria de saber também se é necessário colocar no plano de projeto a descrição e caso de uso das funções que já foram informadas nos termos de referência.

Sim, será necessário informar os casos de uso mencionados no termo de referência para compor seu plano de projeto

  • Cooperativa pode participar desse edital?

Por analogia, entendemos que uma cooperativa poderá participar do certame se: embora não podendo se enquadrar na arrecadação pelo Simples, da lei complementar 123, tiver como comprovar que o faturamento bruto anual é inferior àquele atribuído às EPP (que é de R$3.600.000,00). Encaminhe junto com os documentos solicitados, comprovação dessa situação, se for o caso.


  • O item 3 do Plano de Projetos “Funcionalidades não contempladas no escopo do projeto”. Neste caso é para colocar o escopo extra que não foi citado por vocês, mas que temos capacidade de entregar ou é para colocarmos tudo aquilo não será entregue?

Você precisa listar as funcionalidades que você fará além daquelas solicitadas no Termo de Referência. Espera-se que os candidatos apresentem propostas que vão além das funcionalidades definidas, pois o julgamento dará ênfase à criatividade e inovação das propostas (veja o critério de seleção A, item 8.1. do edital). Desta forma, propostas que simplesmente repetirem o que está se propondo nos Termos de Referência terão chances bastante reduzidas.


  • Vocês podem me explicar com mais detalhes o que é a prova de  conceito (POC)? 

Prova de Conceito, do inglês Proof of Concept (PoC), é um termo utilizado para denominar um modelo prático que possa provar o conceito (teórico) estabelecido por uma pesquisa ou artigo técnico. Em Tecnologia da Informação (TI), o termo relaciona-se ao desenvolvimento de um protótipo como ferramenta para provar a viabilidade de um projeto.

Sugiro que você leia o passo a passo , que disponibilizamos nas informações complementares, na página /projetos do MobiLab.

http://mobilab.prefeitura.sp.gov.br/projetos/

Ou acesse por aqui:

https://drive.google.com/file/d/0BwSRUnDYjk8QTDBueDBBTWI5djg/vieww


  • No video da POC, nós precisamos filmar apenas o nosso sistema rodando, certo? Não precisamos mostrar os códigos? Em algum dos documentos nós precisamos enviar os códigos que estamos escrevendo para rodar o sistema?

No vídeo da POC, deverá ser apresentado apenas a solução em execução.

  • Estamos trabalhando na proposta do projeto 7. Como a natureza do projeto é voltada para geolocalização gostaríamos de saber se podemos adotar o MongoDB, que oferece diversos recursos e funções de geolocalização que podemos explorar (https://docs.mongodb.org/v3.2/reference/operator/query-geospatial/). Note que a dependência do MongoDB é apenas para manipular dados geográficos, todo o restante do sistema será implementado utilizando Postgres. Sabemos da extensão PostGIS e certamente será utilizada se esse pedido for negado. Porém consideramos que a gestão dos dados geográficos no MongoDB é mais intuitiva e apresenta uma performance superior.

A princípio, o banco de dados estabelecido para este projeto seria o Postgres. Porém, na sua proposta pode haver a sugestão da utilização do MongoDB. Neste caso é preciso que seja detalhado o motivo da utilização desta tecnologia e seus benefícios para o projeto.

  • Outra dúvida é se podemos servir esses dados geoespaciais através de um módulo a parte da arquitetura definida por vocês. Pensamos em servir os dados geoespaciais em GeoJSON através do Vert.x (http://vertx.io/). Sabemos que é possível utilizar o GeoServer para essa finalidade, mas queremos gerar o mínimo de overhead possível na implementação dos requisitos.

Sim, pode ser sugerido novas tecnologias para o desenvolvimento do projeto. Novamente, detalhe o motivo da utilização desta tecnologia e os seus benefícios para o projeto.

  • "O sistema SAB deverá disponibilizar os dados para importação." Como será feita essa disponibilização? (Webservice, acessa a banco de dados,? Em caso de acesso ao BD, qual seria o SGBD?)

Webservice

  • "Para criar tal ferramenta o sistema precisa inicialmente analisar historicamente o impacto sobre o serviço de todas as exceções possíveis, incluindo passeatas, chuvas acima da média [...]" Existe essa base histórica em alguma base de dados da prefeitura? Ou teria que ser levantada exclusivamente a partir de mídias sociais e jornais digitais?

As informações serão obtidas a partir de sistema interno. Haverá também uma opção para cadastro das exceções no sistema. A questão de mídia social e jornais digitais não é um requisito obrigatório e a forma de implementação será discutida durante o projeto.

  • Pode ser utilizado o framework (linguagem Python)?

Não é permitido a utilização de Python no desenvolvimento do projeto.

  • RF001 (Importar dados de ocorrências no trânsito da cidade) - Serão importados a partir do sistema da CET? De que forma? Via Web Service?

Via webservice.

  • RF003 (Categorizar e quantificar as exceções identificadas) - Essa categorização precisa ser totalmente automática? Ou poderia ser feito um cadastro de palavras-chave por categoria e a partir deste fazer uma sugestão de classificação? (O usuário teria que fazer a confirmação)

Pode ser feito um cadastro de palavras-chave por categoria com confirmação do usuário. Entretanto, esse detalhamento será confirmado no projeto, em tempo de levantamento e análise junto com o usuário.

  • RF004 (Apresentar os pontos de integrações dos usuários do transporte público da cidade.) – Vocês já tem um cadastro de pontos de integração? Ou teriam que ser identificados automaticamente pelo cruzamento de linhas com pontos(terminais) em comum?

Os pontos de integração devem ser identificados.

  • RF007 (Apresentar informações gerenciais para a tomada de decisões e medidas, diante de uma determinada ocorrência no transporte da cidade.) – Seriam apresentadas nos relatórios, certo? Poderiam citar alguns exemplos de informações gerenciais nesse caso? Devemos detalhar no nosso plano de projeto os tipos de relatórios disponíveis?

Está relacionado com o objetivo principal do projeto. Diz respeito a apresentar no mapa o impacto de uma exceção, com base no histórico de exceções. A principal forma de visualização será em mapa. Deverá ser pensada qual a melhor forma de visualizar isso no mapa. Apenas como exemplo (não se limita a isso): marcar de cor vermelha as linhas de ônibus mais impactadas quando tem jogo no Palmeiras. Ao passar o mouse em cima, da linha seriam exibidos os números e mais detalhes.

  • RF011 (Fornecer uma interface para o cadastro e manutenção dos usuários no sistema.) - Qual usuário ficaria responsável pelo cadastro de exceções e tipos de exceções? (O usuário comum ou o administrador?) Para entendermos melhor: os cidadãos em geral poderiam ser usuários do sistema? Ou seria um sistema utilizado apenas pela SMT?

Serão usuários internos que poderão acessar o sistema. *Apenas para fins de entendimento são previstos 3 perfis: Administrador, Área de Planejamento e Gestores.

*Os projetos 3, 4 e 5 utilizarão a mesma base de usuários do projeto 3. Sendo que no projeto 3 está previsto a criação de perfis de usuário conforme a necessidade do negócio.

  • (Criar módulo de monitoramento de informações na web incluindo mídias sociais...) - Poderia existir, por exemplo, um cadastro de feeds via RSS e o monitoramento ser realizado nestes feeds fazendo-se uma busca por palavras-chave?

Dentre os níveis de prioridade Essencial, Importante e Desejável, este requisito é desejável. Durante o projeto, em fase de levantamento, este requisito será melhor detalhado, pois este não é o momento de determinar qual seria a melhor solução para o requisito.

  • Como identificar os sentidos das linhas (ida/volta)? Existem os dados relacionando os terminais finais de cada linha e qual seria o terminal origem e destino? (Não encontrei essa informação nos dados de amostra disponibilizados, apenas o dígito 0 ou 1 indicando o sentido).

Todas as informações necessárias já existem em base de dados. Os detalhes da forma de acessar ou interpretar os dados serão passados em fase de levantamento.

  • Em relação aos artefatos, o passo a passo diz que deveremos enviar uma prévia de cada um deles. Precisamos enviar esses documentos com dados relativos ao projeto, ou pode ser o nosso template de documentação sem a identificação da empresa?

Poderá ser enviado apenas o template da documentação sem a identificação da empresa.















































































Últimas publicações